07 Jun 2016 34574
Sofia Vasconcelos {Blogger} From Madeira to Mars
#dicas #in-routes&tips #madeira

17 “locais secretos” que deve visitar no Funchal

No Funchal não há vistas feias.

É uma cidade para todas as idades, para todos os gostos. Tem aquele cunho humano de uma cidade onde as pessoas se cumprimentam na rua.
É para ser apreciada num ritmo lento, a pé e de mãos dadas, com o prazer da descoberta abraçada pela luz do sol, por um céu mais azul e pelas cores exuberantes das flores, que desabrocham por toda a parte.

Costumo dizer que é difícil ficar a conhecer bem o Funchal numa semana.

Apesar de ter nascido e viver cá, sinto que ainda não desvendei todos os recantos desta cidade, tamanha é a sua riqueza patrimonial. Quanto melhor a conheço mais quero conhecer e foi esta mesma curiosidade que me levou a desvendar estes locais "secretos” que poderiam passar despercebidos ao turista comum. Seria uma pena; ora vejam:

1. Salões do andar nobre do Palácio de São Lourenço

Este monumento nacional encontra-se aberto ao público, gratuitamente, e ao longo da visita podemos admirar os belíssimos salões do andar nobre do Palácio. Poderá visitar a Sala dos Retratos, com pinturas dos primeiros capitães donatários, tais como João Gonçalves Zarco.

Poderá ver o Salão de Baile com a decoração do teto em estuque dourado, a Sala Vermelha com valioso mobiliário francês e a Sala Verde com belíssimos painéis alusivos à Madeira, pintados por Max Romer, um artista Alemão que residiu na Ilha entre 1922 e 1960.


Morada: Avenida Zarco

2. Orquestrofone no Museu das Cruzes

O Orquestrofone do Museu das Cruzes é apenas um dos válidos motivos que justificam a visita a este Museu. Esta raridade do mundo dos instrumentos musicais mecânicos, foi fabricada por Limonaire Frères na França e trazida para a Madeira pelo Visconde Cacongo, após o ter adquirido em 1900, na Feira Internacional de Paris. Era usado para animar os bailes e as festas de jardim com valsas e polkas. Ao ouvir a música a tocar somos como que conduzidos ao glamour daqueles tempos. Aproveite para visitar o Museu que exibe vários objetos de arte, mobiliário português e estrangeiro, pintura, ourivesaria, joalharia, cerâmica e escultura.

Morada: Calçada do Pico 1

3. Fábrica de Chapéus de Santa Maria

Sabia que pode comprar um chapéu de palha feito à sua medida? Na zona velha do Funchal encontra-se a Fábrica de Chapéus do Sr. João Pestana. Depois de tirar as medidas e decidir o modelo para o seu chapéu, basta fazer a encomenda e combinar o dia para entrega. Prepare-se para o sol em grande estilo ;)

Morada: Rua de Santa Maria 237

4. Praia de São Tiago

Mesmo ao lado do Hotel Porto Santa Maria encontra-se a pequena Praia de São Tiago que nos convida a mergulhos na baía do Funchal. Existe também um pequeno bar de praia, para tomar um copo ou um café, enquanto admira as vistas do porto do Funchal.

Morada: Junto ao forte de São Tiago

5. Muralha do Funchal

Com o ataque dos corsários franceses ao Funchal, em 1560, surge a fortificação para defesa da  cidade. O Funchal foi cercado por muros e no final do século XVI, estava concluída a muralha da cidade. Julga-se que havia 5 portas na muralha do Funchal e uma delas pode ainda ser vista no Largo dos Varadouros. Note-se que é uma reconstrução da antiga entrada da Cidade, no entanto, a coroa, as armas reais e a lápide são as peças originais.

Na Zona de Santa Maria, a muralha desenvolvia-se junto ao mar e são muito poucos os troços que permanecem nos nossos dias, contudo, um deles pode ainda ser visto no exterior do Hotel Porto Santa Maria.

Morada: Hotel Porto Santa Maria e Largo dos Varadouros

6. Miradouro do Pináculo

Está localizado  no topo de uma falésia com 283 metros de altura e tem para mim, uma das mais belas vistas do Funchal. Desfrute!

Morada: Rua Conde Carvalhal

7. Sandes de carne de vinho e alhos no Mercado dos Lavradores

Nem só de espetada vive o madeirense; a carne de vinho e alhos, às portas do mercado dos Lavradores, é um dos segredos mais estimados por alguns funchalenses, que às 6ª feiras de manhã, ali fazem as compras semanais. Esta iguaria típica é feita de carne de porco preparada com vinho branco, louro, vinagre, segurelha, sal, pimenta e alhos, servida no pão, o "papo-seco”. Acompanhe com um "cortadinho”, o café preparado com um "toque de aguardente” para começar o dia de forma original.

Morada: Largo dos Lavradores

8. Jardim do Campo da Barca

Localizado na margem esquerda da Ribeira de João Gomes, este jardim tem árvores centenárias tais como os jacarandás ((Jacaranda mimosifolia), as sumaúmas (Chorysia speciosa) e um enorme dragoeiro (Dracaena draco ssp. draco), que nos convida ao descanso ou a um piquenique ao almoço. Podemos também apreciar no centro do jardim, uma estátua em bronze, da autoria do mestre Pedro Anjos Teixeira, que presta homenagem às floristas madeirenses.

Um dos segredos deste jardim é ser palco assíduo de jogadores de cartas, damas ou dominó, muito apreciado por alguns residentes.

Morada: Rua Brigadeiro Oudinot

9. Casa de Santana no Jardim Botânico

Não precisa de ir até Santana para ver de perto uma casinha típica da Madeira. No Jardim Botânico do Funchal, escondida por entre árvores e flores maravilhosas, encontra-se esta casinha triangular de portas vermelhas, tapassóis verdes e telhado de colmo. Apesar de não poder visitar o interior da mesma, permite-lhe ficar com uma recordação dos jardins mais emblemáticos da cidade. A variedade da beleza natural das plantas assim como as vistas circundantes são a receita para uma manhã bem passada.

Morada: Caminho do Meio

10. Capela de Santo António da Mouraria

Junto à Rua da Alfândega, existe uma pequena capela, mandada construir em 1710, por testamento do juiz da Alfândega do Funchal, João de Aguiar (que lá viria a ser sepultado). Além de ter um portal lindíssimo, um dos primeiros exemplares de estilo barroco na Ilha, tem também uma inscrição na mesma: "Ad Salem Sol” considerada alusiva a Santo António - O sol da Salvação do Ocidente. No seu interior é possível admirar a antiga escadaria de acesso ao andar nobre da Assembleia Legislativa (Antiga Alfândega do Funchal) que data do século XVII e um belo altar, em talha barroca com uma imagem de Santo António com o menino, do século XVIII.

O curioso é que ainda hoje podemos ver, na lápide sepulcral que ali se encontra, uma profanação inscrita: "Aqui jaz o miserável pecador João de Aguiar, desembargador provedor, que foi nesta ilha…”

Morada: Avenida do Mar e das Comunidades Madeirenses

11. Casinhas de prazer

Repare nas casinhas de prazer, um lugar de destaque no jardim das casas madeirenses mais abastadas, dos séculos XVII e XVIII. Os tapa-sóis feitos de ripas de madeira eram denominados localmente por "bilhardeiras”, nome alusivo às "coscuvilheiras” que protegidas pelos tapa-sóis observavam a vizinhança sem serem vistas. Embora sem tapa-sóis, uma destas casinhas encontra-se no jardim da Casa-Museu Frederico de Freitas, mas se prestar atenção poderá ver várias espalhadas um pouco por toda a cidade.

Morada: Casa- Museu Frederico de Freitas, Calçada de Santa Clara 7

12. Piscinas naturais na Doca do Cavacas

Além das famosas piscinas naturais do Porto Moniz e do Seixal, também pode encontrar no Funchal, piscinas naturais de origem vulcânica. Dê um mergulho na água do mar das piscinas da Docas do Cavacas enquanto goza das belas vistas para o Cabo Girão. Tem acesso ao mar e à praia Formosa, através de um túnel escavado na rocha.

Existem vários restaurantes nas proximidades, onde poderá provar as deliciosas lapas assim como outros pratos típicos de peixe.

Morada: O acesso faz-se através de umas escadas na Promenade do Lido - Praia Formosa.

13. Museu Henrique e Francisco Franco

Se é apreciador de arte, este museu exibe a rica obra dos irmãos madeirenses Henrique e Francisco Franco. Da autoria de Henrique Franco (pintor, 1883 – 1961) é possível observar belíssimas pinturas do quotidiano madeirense, a óleo e desenhos. Da autoria de Francisco Franco (escultor, 1885 -1955) verá expressivas esculturas e gravuras. Nas ruas do Funchal poderá também encontrar algumas obras deste escultor entre as quais a imponente estátua de João Gonçalves Zarco, 1º capitão donatário do Funchal, mesmo ao lado do Palácio de São Lourenço.

Morada: Rua João de Deus, 13 

14. Cemitério e Igreja Inglesa

Apesar de ser uma ilha maioritariamente Católica, existe na Madeira uma Igreja Anglicana, mais precisamente no Funchal, na Rua do Quebra-Costas. Foi construída em 1820 por iniciativa do Consul Inglês Henry Veitch. O seu estilo é neo-clássico e encontra-se rodeada de belos jardins.
Na vizinhança, encontrará o cemitério Inglês onde estão sepultadas algumas personalidades notáveis entre as quais, Paul Langerhans, médico e investigador, cujo nome ficará para sempre ligado às ilhotas pancreáticas produtoras de Insulina, "Ilhotas de Langerhans”. Este cemitério foi o lugar por ele escolhido para ser sepultado.
Descreveu-o como um "cemitério de verdade, isolado e tranquilo, um bom lugar para descansar”.

Morada: Igreja Inglesa - Rua do Quebra-Costas nº 18, Cemitério Inglês - Rua da Carreira Nº 235

15. Fábrica de Santo António

Um dos ex-libris da Madeira é o bolo de mel de cana, que não pode deixar de provar.

Na Fábrica de Santo António, localizada no centro do Funchal, encontra estas e outras tantas iguarias, tais como os rebuçados de funcho fabricados "à moda antiga” as compotas de maracujá e as broas de mel. Fundada em 1893, na loja adjacente encontrará objectos centenários, inclusive antigas caixas de bolacha em folha-de-flandres. Este é um local cheio de doces tradições, a não perder na sua visita a esta cidade.

Morada: Travessa do Forno, nº 27/29

16. Cais do Carvão

Também conhecido por "Pier Wilson”, o cais do carvão foi construído em 1903 e era propriedade da empresa Wilson & Co Ltd. Nessa época, os navios a vapor passavam pela Madeira, na sua rota transatlântica. No cais do carvão abasteciam-se de carvão, combustível necessário para prosseguir viagem até ao seu destino; África ou América. Conta-se que era curioso presenciar a azafama desta escala, inclusive a mudança da indumentária; as vestes brancas de África eram substituídas por um fato formal, à altura do grandioso destino que era a América. Em 2004, foi aqui construída a Estação de Biologia Marinha, mas poderá ainda encontrar as ruínas do Cais do Carvão, assim como alguns vestígios da maquinaria desses tempos.

Morada: Promenade do Lido

17. Livraria Esperança

A história da Livraria Esperança começa em 1886, através do Senhor Jacintho Figueira de Sousa, um homem dedicado às artes tipográficas e à venda de livros. Uma das particularidades desta livraria é apresentar os livros expostos de capa e não lateralmente como é habitual - uma forma autêntica de dar a conhecer os seus 96 000 exemplares. Esta foi a primeira livraria do Funchal e é a maior de Portugal.

Morada: Rua Dos Ferreiros 119

Gostar Partilhar Subscrever