13 Jul 2017 442
Essential Algarve Essential Algarve
#algarve #experiencias #gastronomia #tradicao

Os 10 melhores produtos do Algarve

Azeite, cortiça, cerâmica, conservas, licores . .. e até uma água especial. Tome nota e arranje espaço na mala . .. vamos mostrar-lhe os melhores produtos do Algarve !!


Amarguinha

A Amarguinha é uma bebida tradicional do Algarve, produzida a partir de uma antiga receita de licor de amêndoa amarga. Excelente como aperitivo, digestivo ou cocktail, a Amarguinha passa por um período de maturação em cascos de carvalho e amazona, e sabe melhor gelada, ou com uma pedra de gelo e limão. A marca Amarguinha é detida pela produtora de vinhos Companhia das Quintas.

Azeite

A árvore mais antiga de Portugal tem mais de dois milénios, é uma oliveira e vive em Santa Luzia, perto de Tavira. Embora não tão conhecido pela produção de azeite como o vizinho Alentejo, o Algarve é rico em oliveiras e destaca-se pela sua azeitona Maçanilha. Em 2000, o sueco Detlev von Rosen começou a produzir azeite de alta qualidade, em Moncarapacho. Desde então, o Monterosa já conquistou inúmeros prémios e esteve à mesa da Rainha Sílvia da Suécia e da ex primeira dama francesa, Carla Bruni. 

Cerâmica de Porches

Fundada em 1968 pelo pintor irlandês Patrick Swift, a Cerâmica de Porches tem ajudado a manter viva a arte tradicional da olaria no Algarve. Desde vasos a inúmeras peças ornamentais e azulejos pintados à mão, há um pouco de tudo neste espaço pitoresco, incluindo um café/bar que serve pratos feitos com ingredientes sazonais e embelezado por painéis de azulejos pintados à mão pelo próprio Swift. 

Água de Monchique

Os benefícios da água de Monchique são conhecidos desde os tempos da presença romana em Portugal, mas, em 2008, ganharam uma roupagem gourmet com o lançamento da água Chic – Monchique. Detida pela Sociedade de Água de Monchique, a Chic distingue-se pela sua garrafa elegante e alcalinidade, que traz benefícios vários para o organismo.

Conservas

Foi uma das maiores indústrias portuguesas, com centenas de fábricas que exportavam o delicioso peixe em latinhas de aspeto vintage, com designs que remontam à I Guerra Mundial. Enquanto nos anos 1940 existiam cerca de 200 conserveiras no Algarve, hoje são menos de uma dezena. Mas, esta é uma indústria que está a ressurgir e a reinventar-se: a La Rose, marca histórica algarvia regressou ao mercado depois de 40 anos de inatividade; e a Companhia de Pescarias do Algarve e a Saboreal foram duas das marcas que se estrearam nas conservas em 2015. 

Cortiça

Portugal continua a ser líder mundial no setor da cortiça, mas a cortiça algarvia tem brilhado por conta própria no mercado internacional, graças a Sandra Correia e à sua Pelcor, criada em2003. É em São Brás de Alportel que amarca extrai a fina pele de cortiça que é exportada mundialmente e que já desfilou nas passerelles de Paris sob a forma de elegantes bolsas.

Medronho & Melosa

Quem fala em medronho, pensa em aguardente e há décadas que esta é destilada artesanalmente nas encostas da Serra de Monchique. Transparente, com cheiro e sabor da fruta e um teor alcoólico entre os 40 e os 50%, acompanha sempre bem um café. Mais doce é a sua versão com mel, a melosa, que conta ainda com um toque de canela e limão.

Muxama

A melhor forma de descrever a muxama é, provavelmente, dizer que se assemelha a presunto de atum. Produzida a partir do lombo de atum curado e salgado – uma técnica utilizada pelos fenícios e romanos há mais de 2000 anos -, a muxama é muito apreciada como petisco (na companhia de azeite e pão) ou em criações gourmet. A Conservas Dâmaso, em Vila Real de Santo António, é uma das produtoras.

Plantas cítricas

Estão a fazer furor no norte da Europa, mas é de Paderne que vêm as pequenas plantas cítricas ornamentais da Citrina. Fundada em 2015, a Citrina foi considerada a empresa exportadora número um do país pelo jornal Diário Económico. As pequenas plantas, que servem como decoração e que produzem pequenos frutos comestíveis, são "filhas” das laranjeiras algarvias e o seu sucesso é igualmente doce. 

Queijo de figo

Neste caso, em vez de queijo de figo, poderíamos falar de salsicha de figo - referimo-nos, claro, à sua forma. Figos secos comprimidos e misturados com amêndoas e outros ingredientes locais compõem aquele que é, provavelmente, o mais tradicional doce algarvio. Existem muitas variações deste queijo de figo, mas adoramos estas "salsichas” da Casinha da Avó, disponíveis em vários sabores. O nosso favorito é o de figo, amêndoa e alfarroba, aqui ilustrado. Procure-os em feiras locais, eventos e mercados ao fim-de-semana.


Gostar Comentar Partilhar