13 Ago 2018 763
Fernanda Meneguetti Devorável
#brasil #cultura #saopaulo

São Paulo é toda cultura

A maior cidade brasileira é vibrante e acena com ótimos espaços multiculturais 

Museu do futebol, de imagem e som, de arte moderna ou sacra; galerias conceituadas em Nova York e Paris; Institutos com programações intensas. Uma faceta da megalópole que interage com teatro, com memórias e com gastronomia. Afinal, cultura é esse melting pot, não é mesmo? São Paulo diz que sim e se orgulha dele. Mais: revela lugares que personificam essa interessante mistura: 

Japan House

Depois de Londres e Los Angeles, ela chegou a São Paulo. Talvez uma leve injustiça, já que a capital paulista abriga a maior colônia japonesa no exterior, com mais de um milhão de membros. Melindres à parte, a casa desenhada pelo célebre arquiteto japonês Kengo Kuma possui mais de 2500 metros quadrados distribuídos por três andares e múltiplos ambientes, com direito a jardins, espaços expositivos, salas de palestras, biblioteca, restaurante, cafeteria e lojas.

Trata-se na realidade de um projeto do Ministério das Relações Exteriores do Japão para incentivar que a comunidade internacional tenha uma compreensão mais profunda deste país que combina de maneira tão única a modernidade do século 21 a tradições milenares, seja nas artes, nas tecnologias ou nos negócios. 

Até 30 de setembro é possível apreciar a exposição Aromas e Sabores, um tour lúdico pela diversidade de cheiros e gostos da cultura nipônica. E, se ela abrir o apetite, não custa lembrar que no último andar fica o Junji, restaurante casual do premiado sushiman Jun Sakamoto. 

Japan House Av. Paulista, 52, Bela Vista, tel. +55 11 3090-8900


Museu da Imigração

O espaço expositivo, entre o finzinho do século 19 e as primeiras décadas do século 20, era uma hospedaria onde as famílias de diferentes nacionalidades conviviam solidariamente. Relatos, objetos e imagens emocionantes de incontáveis imigrantes que chegaram a São Paulo permanecem por lá. Não à toa! Eles devem provocar novos encontros, novas vivências. Daí sempre serem promovidas novas exposições, palestras, reproduções de filmes e oficinas das mais diversas, incluindo cerâmica e bordado, por exemplo. Daí o pátio lindo com gramado, horta, árvores e uma cafeteria acolhedora, o Cantina.

Habitué do Museu da Imigração desde criança, o chef Fellipe Zanuto serve ali cafés preparados por métodos variados, quitutes artesanais (os cookies e as tortas salgadas estão entre eles) e, aos finais de semana e feriados, um brunch embalado por jazz, com delícias como o pão caseiro com ovo mole, linguiça e cogumelos e o waffle de banana e aveia com geleia de frutas vermelhas e pasta de amendoim.

Museu da Imigração R. Visc. de Parnaíba, 1316, Mooca, tel. +55 11 2692-1866

Foto: Gabriel Cabral

Vista

No topo de um dos projetos emblemáticos do arquiteto Oscar Niemeyer, o novo restaurante brinda o visitante com autêntica cozinha brasileira e deslumbrante panorâmica do skyline da capital e sobretudo do Parque Ibirapuera, passando pelo Obelisco, pelo Pavilhão da Bienal, pela Oca e pelo Auditório. Ou seja, o Vista é um pretexto mais que perfeito para se percorrer os museus, espaços culturais e áreas verdes do parque mais famoso da cidade.

É do alto do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC–USP) que o chef Marcelo Corrêa Bastos prepara receitas marcantes, do tempurá de cambuquira com milho verde e jiquitaia à pavlova com curd de limão e sorvete do cambuci, do arroz de frutos do mar à leitoa à pururuca. Assim, como os olhos que tiverem percorrido o acervo com direito a telas de Di Cavalcanti e Picasso do MAC antes de subirem ao comedor, o estômago tem motivos de sobra para festejar.

Se cabe um aviso, tome nota: embora a fila de espera seja longa, não é preciso desanimar. O Bar Obelisco é a chance para se provar um (ou alguns!) dos coquetéis assinados pelo premiado bartender Zulu. O mangadinha, com gim, purê de manga com cardamomo, água gaseificada, suco de limão, laranja Bahia e dill, é um dos hits do belo balcão. 

Vista Avenida Pedro Álvares Cabral, 1301, portão principal, Ibirapuera, tel. +55 11 5082-3067 


Instituto Moreira Salles

Dois milhões de fotografias, milhares gravações de música, incluindo os primórdios das gravações de canções brasileiras, toneladas de gravuras, aquarelas, desenhos e de textos, em forma de cartas, poesia e outros documentos, compõem o acervo do IMS, recentemente instalado em um prédio moderno da Avenida Paulista. 

Não bastasse o arquivo de peso, o lugar funciona como jovem e vibrante centro para mostras de cinema, exposições nacionais e internacionais, espetáculos, cursos e... gastronomia. 

Logo no térreo encontra-se o Balaio. Embora seja tocado pelo premiado chef Rodrigo Oliveira, o sertão tão presente nos seus Mocotó e Esquina Mocotó, ficou na Vila Medeiros, na profunda zona norte paulistana. Na principal avenida da cidade, Rodrigo interage com o país todo e oferece petiscos novos, caso do pastel de verduras e queijo da Serra da Canastra, e pratos como a canjiquinha com cordeiro e figo ou a vegana moqueca de caju, feita para ser compartilhada. Para adoçar, o pudim de pão de mandioca harmoniza-se perfeitamente com o café coado.

Instituto Moreira Salles Av. Paulista, 2424, Bela Vista, tel. +55 11 2842-9120


Gostar Partilhar Subscrever